Obsoleto? Já?

Esta semana li um artigo bastante interessante na revista proteste nº361 de Outubro de 2014, com o título de “obsolescência programada”. Na era tecnológica em que nos encontramos, deparamo-nos todos os dias com novos equipamentos, cada vez com mais potência e características fabulosas, que nos fazem desejar possuir o “novo” objecto da moda.

Ora se por um lado o consumo ajuda a mover a economia, por outro abranda o crescimento financeiro de quem consome. Como país pequeno, Portugal não possui uma indústria tecnológica forte e inovadora, própria de grandes empresas como a google ou Apple, pelo que somos obrigados a importar quase tudo o que sejam “gadgets” ou equipamentos que contenham muita tecnologia.

A grande questão que se levanta é se realmente necessitamos de ter a última novidade, o último modelo seja lá do que for e é aí que entra este artigo, com o intuito de chamar atenção para o consumo nesta época conturbada, em que nos são apresentados vários equipamentos, num momento de crise económica.

Falando um pouco de minha experiência, sou possuidor de um iPhone 4 e senti vontade de comprar o novo iPhone 6, apenas por comprar, por me ter sido criada uma necessidade que até aí não existia. Ora vejamos,  o iPhone 6 faz tudo melhor que o iPhone 4, mas será que este não satisfaz as minhas necessidades? A resposta a isso é sim, isto depois de ter experimentado o iphone 6, o samsung galaxy alpha entre outros equipamentos, mas há que ser forte e esperto.

Obsolescência  programada está presente nas mais variadas formas que passam desde a utilização de material durável por um menos resistente e substituições de peças mais bastante caras, saindo por vezes mais barato comprar novo.

O tão famoso argumento de “ser mais ecológico” que é valido, mas sai do bolso do consumidor e que pro vezes não fazemos as verdadeiras contas de quanto custa em emissões de CO2 para fabricar o novo equipamento.

A “programação” da obsolescência está presente através de técnicas mentais, utilizando como tal poderosas técnicas de marketing ou outras que desconhecemos mas que nos fazem desejar o “novo” e mais atraente gadget da atualidade.

E tu? Estás a pensar comprar algum equipamento novo para substituir algum antigo?

Se calhar vale a pena reflectir um pouco!