Gigantes da música fazem pressão para Spotify impor mais limites nas versões gratuitas

spotify
Cortesia: Venture Beat

Esta sexta-feira, a Universal Music informou o Financial Times que á ser efectuada pressão junto do Spotify, para reduzir os recursos oferecidos na sua versão gratuita. Universal espera que limites mais reduzidos irão trazer mais utilizadores para a versão premium.

Este mês ficamos a saber que o streaming de música actualmente vende mais do que os CDs, pelo que não foi surpresa quando soubemos que Spotify alavancou em 75% a receita das vendas de streaming da Universal no ano passado.

Atualmente, Spotify oferece um serviço ilimitado on-demand de streaming em computadores, apenas obrigando o utilizador a ouvir e ver publicidade, no entanto, limita bastante os dispositivos móveis. O seu serviço premium (pago) permite ouvir música sem anúncios, acesso a um stream de maior qualidade e acesso offline.

Fontes da indústria disseram à Rolling Stone que “Precisamos acelerar o crescimento de utilizadores pagantes, o que é uma maneira um pouco mais positiva de dizer que precisamos de limitar o livre e sem restrições. É possível tornar o serviço de assinatura mais atraente, com um som de alta resolução ou álbuns exclusivos, ou pode-se fazer uma versão gratuita pior, limitando a quantidade de coisas que se pode ouvir. ”

O Spotify à algum tempo atrás afirmou que um serviço gratuito e robusto é a única forma comprovada de converter os utilizadores em assinantes pagos. Em 2013 o CEO do Spotify, Phil Ek disse “Nós estamos dando às pessoas a melhor experiência de música livre na história dos smartphones. E quanto mais você ouve, é mais provável que você venha a pagar. ”

Apesar de ser bastante aliciante, este tipo de serviços parece não prosperar tanto devido às limitações de dados impostas pelas operadoras de telemóvel. Temos a certeza que se as grandes empresas do ramo da música fizessem pressão para planos de dados móveis mais atraentes, muitos mais utilizadores passariam a ser assinantes deste tipo de serviços.

Fonte: Venture Beat