WattUp pode carregar por wireless até 12 aparelhos

Enquanto a maior parte dos mortais ainda vive em casas com técnicas de construção tradicionais, com problemas de humidade e instalações eléctricas com vários fios, em que alguns são montados em calhas nas paredes.

A casa do futuro provavelmente não terá humidade, a tinta poderá mudar de cor usando uma aplicação no telefone e os fios irão desaparecer seja qual for a função.

O WattUp é uma espécie de router capaz de carregar qualquer equipamento via wireless, este equipamento entrega cerca 0,25 watts a 12 aparelhos, ou 4 watts a 4 aparelhos que estejam a menos de 1,5 metros, mas que diminuem para 1 watt caso estejam entre 1,5 e 4,5 metros.

Esta espécie de router de energia funciona com tecnologia Bluetooth para detectar os aparelhos compatíveis que necessitem de carga, e direcciona a energia para estes, usando as frequências de 5.7 e 5.8 GHz.

O seu software permite que este router monitorize os equipamentos que necessitam de energia, sendo possível definir quais os que necessitam de carregamento, prioridades e horários.

Esta função é muito importante, uma vez que desta forma o utilizador controla quais os aparelhos que deseja carregar automaticamente ou manualmente, e consegue aumentar a vida útil das baterias, definindo por exemplo que o seu telefone só seja carregado quando a energia for inferior a 50 porcento, e o período de carregamento cesse quando esta atingir os 80 porcento.

Com vários routers WattUp qualquer equipamento compatível pode ser carregado via wireless por toda a casa, dando prioridade ao que tiver melhor sinal, tal como é feito actualmente nos routers wifi.

Esta tecnologia aos poucos tem ganho visibilidade e já demonstrou as suas vantagens. Ainda há muito por fazer, visto que, continua a existir muita perca de energia pelo caminho.

Se bem que é aliciante ter uma casa completamente sem fios, é com algum cuidado que olhamos para uma tecnologia que se baseia em radiação electromagnética para carregar equipamentos à distância.

Os desenvolvedores desta tecnologia dizem que se forem cumpridos os requisitos mínimos não há risco para a saúde, no entanto, há que ter a noção de que não existem estudos com evidência científica a longo prazo.

Fonte: Geek